PRINCIPAL EVENTOS
APRESENTAÇÃO
ARTE
CULTURA
LITERATURA REGIONAL PROJETO ABCERRADO LIVROS
REVISTAS
ARTIGOS
PESQUISAS

MÍDIA/CONTATO
EQUIPE





PEDRA FUNDAMENTAL DA NOVA CAPITAL:
EM DOCUMENTOS

Por Robson Eleutério

Tendo em vista a comemoração do Centenário da Independência, o Presidente Epitácio Pessoa, logo no início do ano de 1922, assina e publica o Decreto Legislativo nº 4.494, datado de 18 de janeiro, que mandava edificar a Pedra Fundamental da futura capital no quadrilátero Cruls. O projeto que deu origem a este decreto é de autoria dos deputados Americano do Brasil (Goiás) e Rodrigues Machado (Maranhão), tendo sido aprovado por unanimidade pelos deputados, com o seguinte teor:


“Art. 1º – A Capital da República será oportunamente estabelecida no Planalto Central, na zona de 14.400 quilômetros quadrados, que, por força do art. 3º da Constituição Federal, pertence à União, para esse fim especial, já estando devidamente medidos e demarcados".


“Art. 2º – O Poder Executivo tomará as necessárias providências para que, no dia 7 de setembro de 1922, seja colocada, no ponto mais apropriado da zona a que se refere artigo anterior, a Pedra Fundamental da futura cidade, que será a capital da União".


A missão de erguer o obelisco no Morro do Centenário e organizar o evento de lançamento da Pedra Fundamental coube ao Diretor da Estrada de Ferro de Goiás, Engenheiro Ernesto Balduíno de Almeida, cumprindo um decreto que autorizava o início da obra em comemoração ao centenário da Independência. Balduíno foi informado da missão por meio de um telegrama enviado pelo Ministro da Viação e Obras Públicas, José Pires do Rio, durante o governo de Epitácio Pessoa, no dia 27 de agosto de 1922, faltando apenas dez dias para o Sete de Setembro.

Segundo o telegrama, uma placa de bronze acabava de ser encomendada ao Liceu de Artes e Ofícios, em São Paulo, que após fazer o molde e fundí-la, a enviaria de trem-de-ferro até Araguari, e de lá, seguiria de carro para Mestre d’Armas., durante uma cerimônia organizada para o dia 7 de setembro de 1922, exatamInegavelmente, parece que tal tarefa transformara-se numa árdua missão a ser cumprida pelo Engenheiro Balduíno, que fez o seguinte desabafo: “Faltava-me tempo para pensar; para agir ainda pouco era o tempo.” [01].

Preocupado em evitar um possível fracasso da missão, rapidamente balduíno idealizou um obelisco em formato de uma pirâmide feita com pedras artificiais, cujos materiais seriam montados no local.  Aplaca de bronze foi encomendada ao colégio liceu das artes, em São Paulo e mandada de trem até Araguari, depois onde seguiria de carro “Ford Bigode” para o arraial de Mestre d”Armas. É importante ressaltar que nessa época a cidade já se chamava Planaltina, no entanto, ainda continuava sendo conhecida por Mestre d”Armas.


A Jornada para Mestre d’Armas


A jornada começou em Araguari (MG), no dia 01 de setembro de 1922, quando Ernesto Balduíno organizou uma caravana composta por nove 22 membros, que se dirigiram para Mestre d’Armas em nove automóveis (Ford Bigode) e seis caminhões, que transportaram 40 pessoas e todo o material necessário para erguer o obelisco no local. Seguiram pela ferrovia Mogiana, num trem especial, até o final da linha férrea  localizada em Ipameri.

No dia 02 de setembro a caravana deixou Ipameri e seguiu com destino a Mestre d’Armas. A viagem teve início às 5h da madrugada trilhando a primeira estrada de rodagem que adentrou o quadrilátero demarcado por Luiz Cruls, aberta um ano antes (1921) pela empresa Bevinhati, Salgado e Cia. Transportaram uma carga estimada em cinco toneladas, num trajeto de 300 km, com inúmeros trechos precários, demorando três dias de viagem.


Após percorrerem 160 km chegaram a Cristalina/GO no dia 03 de setembro, quando Balduíno recebeu a notícia de que a estrada até Mestre d’Armas estava em boas condições. Essa notícia o deixou despreocupado com a chegada dos caminhões que estavam para trás, levando-o a seguir na frente pois tinha que preparar a chegada da caravana e, ainda escolher o local em que o obelisco seria edificado. “Em razão disso, Balduíno, que viajava sempre à retaguarda, decide, acossado pelo tempo, seguir à frente com os “Ford-bigode”, deixando os caminhões seguirem atrás da caravana. E no mesmo dia, já tarde da noite, chegou a Mestre d’Armas, fazendo daquele local o centro das suas operações. A cidade recebeu a comitiva festivamente.” [02]

Em quatro de setembro, Balduíno foi a campo, visitando algumas localidades da região, a fim de escolher o melhor local para edificar o obelisco. Visitou o Parque Nacional, um local que serviu de acampamento para a Missão Cruls, seguindo logo depois para outro ponto nas margens do rio Paranoá e, por último esteve em Mestre d’Armas, onde decidiu erguer o obelisco sobre um morro localizado a 7 km da cidade, ente os vales dos rios São Bartolomeu e Sobradinho.
Os caminhões chegaram a Mestre d’Armas em 05 de setembro, faltando apenas dois dias para a inauguração do monumento. Veja a narrativa de Balduíno:

Nas primeiras 7 horas foram percorridos apenas 20 km, com os caminhões estancando a cada momento, nas grandes rampas que tinham de vencer. No total, no primeiro dia de viagem, das 5h às 21h, foram vencidos apenas 76 km. No segundo dia, três de setembro, a caravana avançou mais 84 km até o cair do sol, quando chegou ao povoado de Cristalina. Segundo as informações locais, a partir dali a estrada não apresentaria grandes problemas. Balduíno, que vinha à retaguarda, decidiu acossado pelo tempo, seguir à frente com os "Ford Bigode", deixando os caminhões seguirem atrás da caravana. Tarde da noite, chegou ao arraial de Mestre d'Armas, fixado como referência, e que seria a base dos trabalhos. Os caminhões chegaram à manhã do dia 5, e nessa mesma manhã o engenheiro Balduíno escolheu um local bem mais próximo: um promontório sobre o vale do rio São Bartolomeu, a apenas 8 km de Mestre d'Armas. Batizou o local de "serra da Independência; e aos dois morros ali existentes atribuiu os nomes de "Centenário" e "sete de Setembro”. Às 17 horas do dia 5, todo o material dos caminhões já estava descarregado no morro do Centenário. No dia 7, às 10 horas, estava pronto o monumento. [03]


A placa de bronze, vinda de São Paulo, foi fixada na base da pedra, com os seguintes dizeres: Sendo Presidente da República Excelentíssimo Senhor Doutor Epitácio da Silva Pessoa, em cumprimento ao disposto no Decreto 4.494, de 18 de janeiro de 1922, foi aqui colocada, em sete de setembro de 1922, ao meio-dia, a pedra fundamental da futura Capital Federal dos Estados Unidos do Brasil.

A cerimônia de edificação da pedra, com o hasteamento da Bandeira Nacional aconteceu exatamente ao meio-dia de sete de setembro de 1922, como parte das comemorações do Centenário da Independência do Brasil (1822), conforme o previsto, e contou com a participação de autoridades de vários estados do país, sendo o Presidente Epitácio Pessoa representado pelo Engenheiro Ernesto Balduíno, Diretor da Estrada de Ferro Goiás em Araguari (MG).O evento foi fotografado, filmado e ganhou amplo espaço na mídia nacional, cujo material foi selecionado e doado ao Museu do Ipiranga, em São Paulo. 


Após uma análise dos momentos em que antecederam a edificação da Pedra, constata-se o improviso parece algo inerente à nossa cultura, uma vez que seria necessário pensar no formato do obelisco, organizar uma expedição para escolha do local em que seria colocado, e ainda, organizar um evento para o lançamento. Tudo isso foi feito em apenas dez dias e deu tudo certo.
A base do marco foi constituída de trinta e três pedras artificiais de concreto, colocadas na base do monumento, lembrando os trinta e três anos da República, de 1889 a 1922. A primeira pedra assentada no monumento foi colocada um dia antes, no dia seis de setembro e a construção do obelisco foi concluída no dia seguinte.

O obelisco tem forma piramidal de base quadrada com 3,75m de altura, a contar das fundações. As suas faces estão orientadas pelos pontos cardeais. Na face oeste está localizada placa comemorativa. A 7 m do monumento, encontra-se o Marco Geodésico, situado a 7,5km da cidade de Planaltina e 24 km a Nordeste da Estação Rodoviária de Brasília (em linha reta), em concreto, com chapa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE cravada no topo, numa caixa com tampa móvel e de ferro fundido. A pedra foi assentada no ponto mais elevado do Morro do Centenário, proporcionando uma visão aérea em todas as direções. A praça que a entorna contribui para o bem estar dos visitantes com passeios e bancos de concreto. [04]

Progresso para a região 

Inegavelmente, o maior evento para Planaltina, na primeira metade do século 20, foi a colocação da Pedra Fundamental em 1922, coordenada pelo Engenheiro Ernesto Balduíno, sobre o Morro do Centenário, situado a 7 km da cidade. Esse grande acontecimento, em comemoração aos 100 anos da independência, colocou a cidade no centro do processo histórico, permitindo aos seus moradores usufruírem de parte da modernidade que surgia no limiar do século XX, veja: a abertura da 1ª estrada para automóveis (1921), instalação de indústria de Cortume e Charqueado “Benvinhati, Salgado e Cia”, empregando 20 operários e 20 menores aprendizes no seu primeiro ano de funcionamento (1917), instalação de Rede Elétrica (1925), a construção de um Campo de Aviação.

Embalados pelo sonho da construção da nova capital, constantemente chegavam novas pessoas à cidade e o progresso começara a chegar. O comércio da cidade se fortaleceu bastante com a abertura de novos estabelecimentos, cuja maioria se instalou na rua João Quirino, que mais tarde ficou conhecida como “rua das lojas”. O Jornalista Franklin de Oliveira, do Jornal “Os Sertões” editado em Lençóis na Bahia, chegou em Planaltina em 1927 quando acompanhava uma grupo de jagunços que perseguia a Coluna Prestes, testemunhou o progresso da cidade:

Nas palavras de Dona Morena “o período áureo de Planaltina foi de 1922 a 1930, grande progresso no comércio e indústria de beneficiamento de couro, máquina de beneficiar arroz, café e cinema de propriedade de Manoel Campos Salgado. Comércio movimentado com as Lojas Goianas com filiais em Ipameri, Formosa, Cristalina, Luziânia de propriedade da Firma Bevinhatii, Salgado Ltda.”. [05]A vida cultural da cidade também mudou com a criação de uma Banda de Música pelo gerente da empresa Benvinhati, a formação de um grupo teatral, nos anos vinte e trinta e, no final dos anos quarenta, o grupo musical “União Jazz Planaltinense”.

Aproveitando esse momento de visibilidade de Planaltina em todo o Brasil, após o Lançamento da Pedra Fundamental, o presidente da Câmara de Vereadores, Deodato Louly, aprovou um projeto criando loteamentos nos arredores da Pedra Fundamental, possibilitando a comercialização de lotes em várias cidades do Brasil. Segundo Dona Morena, personagem histórica da cidade, “Deodato de Amaral Louly foi o maior propagandista da mudança da capital para o Planalto goiano. Agrimensor e organizador dos loteamentos, para a propaganda dos mesmos, montou escritórios nos grandes centros do Brasil, no ano de 1923.” [06]

 

 

 

 

ROBSON ELEUTÉRIO é professor de História da SEDF e também atua como coordenador do Instituto Cerratense. Em 2004 idealizou o projeto Estrada Colonial no Planalto Central, juntamente com o historiador Paulo Bertran, sendo, posteriormente co-autor do Livro Estrada Geral do Sertão - na rota das nascentes. Nos últimos anos tem se dedicado à pesquisa sobre a história da nossa região e, atualmente, à criação do Ecomuseu e tombamento da Pedra Fundamental como patrimônio Histórico Nacional.

BIBLIOGRAFIA:


 [01] WWW.BRAZILIA.JOR.COM – acesso em 10/06/2014.
[02] ibidem 01, acesso em 10/06/2014.
[03] DEPHA, bens tombados. sc/df, 1984.
[04] ibidem 03, p.08.
[05] FREITAS, Gabriela Guimarães.Manuscrito “Reminiscência de Planaltina.”
[06] ibidem 05, p.08.
[07] O ENSINO, Jornal. Ipameri, 1914.
[08] FEURY, Sílvio do Rosário Curado. O Automóvel em Goiás; Anápolis: Ed. Unigraf, 2008.
[09] BEVINHATI, Victorino. “Memória do Ilustre Cidadão – 57 anos de trabalho consecutivos, sem férias”. Biografia do autor, 1962.
[10] ELEUTERIO, Robson e MENDES, Xiko. Pedra Fundamental: o marco zero da capital. Brasília, Ed. Cerratense, 20120
[11] ibidem 08, P. 15.

Voltar

 

Copyright © Instituto Cerratense - 2015 - Todos os direitos reservados.