PRINCIPAL EVENTOS
APRESENTAÇÃO
ARTE
CULTURA
LITERATURA REGIONAL PROJETO ABCERRADO LIVROS
REVISTAS
ARTIGOS
PESQUISAS

MÍDIA/CONTATO
EQUIPE


 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 



ARTE E CULTURA
NO PLANALTO CENTRAL

 

 

POEMAS
EDUARDO DURÃES

FOLIA DE ROÇA 

Folia vem chegando
Todos a espera, foguetes avisando
A bandeira a frente tremulando
O som da caixa sem igual tocando

Olhos vermelhos e lagrimas caindo
O folião o pouso vem pedindo
O pouseiro com todo gosto oferecendo
E em seu lar abrigo e comida ofertando

 

Mensagem do Profeta de Marco Orsini

Muito se tem falado sobre o Profeta Gentileza. Porém, é importante não esquecermos das abordagens do campo das ciências sociais que tratam de personagens como ele, principalmente da Antropologia. São notáveis as observações registradas pelo antropólogo Gilberto Velho e publicadas em livro de sua autoria sob o título Desvio e Divergência . Alí percebemos a possibilidade de identificar o Sr. José Datrino entre aqueles indivíduos que manifestaram comportamentos desviantes em função de leituras divergentes dos códigos que compõem a estrutura sócio-cultural do contexto em qu

 

Mestre  WOO

VISITA À PEDRA FUNDAMENTAL
E VALE DO AMANHECER

PLANALTINA/DF

 

NOSSO CERRADO

Prof. Adolpho Fuica

 

A ARTE DE LUIS FELIPE VITELLI

Exposição Costurando Entre Nós

Peça Teatral: Padim Ciço

PRA CONSTAR- PlanaltinoDFcom fé sou
Luis Felipe Vitelli

 


PRA CONSTAR
PlanaltinoDFcom fé sou

 

PRA CONSTAR
PlanaltinoDFcom fé sou


BOCA TEMPORAL

O que era pra ser

Demorou acontecer

E o tempo

Com sua boca feroz

Nervosa

Saciou sua fome de apagar

O que não lhe importa!


Luiz Felipe Vitelli-DFumado
Foto de desenho de LFVitelli

 

 


A peça não é biografia, não obedece totalmente a fatos históricos,
com alguns personagens reais e outros imagjnários no realismo fantástico. Aborda a história de CÍCERO ROMÃO BATISTA, que aos 12 anos faz voto de castidade, vai para o seminário e há várias
intempéries e impedimentos com a morte de seu pai...

 

VIDA TROPEIRA 

Eduardo Durães


Do rangido da velha porteira
De lasca de tronco de aroeira
De longo passado empoeirado 
Do gado passando tocado 

Ao som de antigo berrante 
Que chora rouco e trovejante 
Do velho e sábio boiadeiro
Com seu benzer curandeiro...

 

 

 


VOLTAR AO TOPO

 

Copyright © Instituto Cerratense - 2018 - Todos os direitos reservados.
ISSN -  2447-8601

I