PRINCIPAL EVENTOS
APRESENTAÇÃO
ARTIGOS
PESQUISAS
LITERATURA REGIONAL PROJETO ABCERRADO LIVROS
REVISTAS
MÍDIA

CONTATO
COLABORADORES


 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


ESTRADA GERAL DO SERTÃO
ROTEIRO CURRAIS DO RIO SÃO FRANCISCO

 


O roteiro da Estrada Geral em direção ao rio São Francisco teve como base documental, dois importantes  relatos de viagem, produzidos nos séculos XVIII e XIX:

- o primeiro é o roteiro de viagem de D. Luiz da Cunha Menezes, imortalizado como Fanfarrão Minésio, quando saiu da cidade Cachoeira (localizada no Recôncavo Baiano próximo a Salvador,) e se dirigiu para Goiás, a fim de assumir como governador da capitania, no ano de 1778.

- O outro foi o roteiro da expedição “O Rio São Francisco e a Chapada Diamantina”,  organizada pelo governo imperial, da qual fez parte  o engenheiro negro Teodoro Sampaio. Essa expedição navegou todo o Rio São Francisco, desde Penedo (AL) até Paracatu e atravessou a Chapada Diamantina, se dirigindo para Salvador\BA, em 1879.


 





Os Currais do São Francisco eram imensas propriedades particulares, fazendas, criadoras de gado,  localizadas nas margens do rio. No século XIII, o rio São Francisco era o principal meio de comunicação com todas as regiões do Brasil:

Centro oeste: passando por Arinos e Paracatu, ambas em Minas Gerais;

Sul/Sudeste: seguia navegando o rio para Minas Gerais,  depois continuava a jornada por terra, trilhando as picadas que chegavam ao Rio de Janeiro e São Paulo;

Nordeste: acessava-se também pelo Rio São Francisco, via Pernambuco;

Norte: seguindo pelo Piauí e Maranhão.


Veja o que diz o historiador Antonil, em sua obra “Cultura e Opulência do Brasil”, publicada em 1711:

(...)por informação tomada de vários que correram este sertão, estão atualmente mais de quinhentos currais  e, só na borda aquém do Rio São Francisco, cento e seis. E na outra borda da parte de Pernambuco, é certo que são muitos mais. E não somente de todas essas partes e rios, já nomeados vêm boiadas para a cidade e Recôncavo da Bahia, para as fábricas dos engenhos, mas também do rio Iguaçu, do rio Cariainhaém, do rio Corrente (...) 1

Os rios citados no relato acima, são importantes afluentes do Velho Chico. A  Vila de  Carinhanha e Malhada, na divisa com Minas Gerais, estavam localizadas na estrada “Picada da Bahia” que dava acesso as minas de ouro em Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso. Um trecho dessa estrada era chamada de Estrada dos Currais.

1- “Cultura e Opulência do Brasil”. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1982.

 

 

 

 

 

 

 

 

Carinhanha/BA

Nestes sertões, o homem pobre nunca é suficientemente pobre que precise viver de salário. O mundo aqui é largo demais para que se faça sentir a pressão das necessidades. O rio é um enorme viveiro, onde o peixe não escasseia jamais, assim como as catingas e as matas marginais um imenso e inesgotável tesouro, fácil de explorar nos momentos, nos raríssimos momentos em que a preguiça universal cede um pouco de seu império.

                                                                                    

 

Teodoro Sampaio, 1879

 

 

 

 

 

 

 

A partir de Carinhanha, a estrada seguia para  Minas Gerais, margeando o Velho Chico até Januária (Porto de Salgado), inflectindo à noroeste rumo a Formoso (MG), na região do Grande Sertão Vereda.


Januária, localizada nas margens do Rio São Francisco, no norte de Minas, era a cidade mais importante daquela região,  no decorrer do século XIX.

 

 

 

 

 

 

V o l t a r

 

Copyright © Portal Cerratense - 2017 - Todos os direitos reservados.
ISSN -  2447-8601